Archive for setembro \11\UTC 2011

11 de Setembro

setembro 11, 2011


Acordei no horário de costume naquele dia. Me preparei no apartamento que alugava da Universidade de Illinois e saí para o laboratório de pesquisas onde estudava havia duas semanas. Lá pelas 9h o meu orientador entrou na sala onde ficavam os alunos e pesquisadores e disse algo que entendi que era um avião que tinha se chocado num prédio em Nova York e estava lá estacionado num andar, pegando fogo. Exclamei: “Pô! Preciso treinar mais o meu ouvido para o inglês. Tô entendendo cada coisa!”

De qualquer modo, o ambiente andava pesado, as pessoas estavam tristes e silenciosas. Vi na tela do computador de um colega um prédio pegando fogo. Tentei entrar na CNN. Ela estava fora do ar. Entrei num site de notícias brasileiro. Aí comecei a perceber o absurdo que estava sendo testemunha ocular. Daqui alguns minutos pela tela do computador vi o segundo avião chocar com outra torre. Espanto! A América estava sendo atacada! Mas por quem? Era a pergunta que cruzava minha mente.

Lia no site de notícias do Brasil que havia ainda quatro aviões nos céus da América que não atendiam as ordens do tráfego aéreo e poderiam atingir outros alvos. Lia que o presidente, o vice-presidente dos EUA, o prefeito de Nova York estavam escondidos e protegidos pelo FBI. Me deu vontade de me esconder também e de requisitar um agente para a minha proteção. Desnecessário dizer que ninguém estudou ou trabalhou naquele dia. Só deu para ficar na frente de telas naquele dia: tela de computador e tela de televisão tentando entender o que estava acontecendo.

Duas coisas que aconteceram comigo nos dias seguintes foram mais reveladoras do que as tentativas de análise daquele absurdo. A primeira foi um pastor que pregava o fim do mundo nos jardins da Universidade no dia seguinte ao ataque. Minha lógica inflexível se levantou e anunciou pomposamente: “Velho, se o fim-do-mundo não foi ontem, não será hoje e provavelmente não será nunca mais!”.

A segunda coisa marcante aconteceu, alguns dias depois do ataque, quando ao caminhar pelo bairro residencial próximo onde morava, estanquei o passo quando vi a seguinte placa, fixada na parede de uma típica casa americana: “WE WILL NEVER FORGET!”, em letras garrafais, quase gritando em sua cara. Aí percebi que Bin Laden estava frito, meu irmão. Provocou um povo muito orgulhoso, que não foge da luta. Os americanos iriam atrás dele para vingar aquele dia. E a vingança possível era matá-lo. Podia demorar, mas ia acontecer com certeza.

Trilha Sonora do Post

Por fim, “this is the end” do The Doors:

Tarô Econômico

setembro 6, 2011

Desde os primórdios da caminhada do ser humano na face da terra, prever o que vai acontecer no futuro é um dos maiores anseios do homem. Para isso, vale tudo. Ler mãos e cartas, jogar tarô, consultar bola de cristal ou usar métodos econométricos. Econometria – mistura de teoria econômica, estatística e matemática –  é uma das áreas mais fantásticas da Economia.  Reconhece que raramente se pode fazer experimento controlado em Economia e tenta, usando dados observados disponíveis por aí, extrair informação útil.

Quando a econometria é usada para prever precisa ser feita com cuidado. Prever muitos períodos além costuma gerar resultados imprecisos. Por isso, se costuma dizer que o economista é um especialista que saberá amanhã porque as coisas que ele previu ontem não aconteceram hoje… O mais incrível é que tem economista que prevê a inflação com uma precisão de duas casas decimais… Aliás, fazer previsões pontuais não é o procedimento mais correto; fazer previsão pontual com duas casas decimais então nem se fala. A previsão econométrica precisa ser feita na forma de intervalo do tipo: a inflação de 2013 será entre 4,5% e 5%. Se os economistas adotassem esse tipo de previsão evitariam situações constrangedoras. Todo começo de ano a história se repete: os jornais estampam as previsões dos economistas sobre uma série de variáveis econômicas. Esses jornais deveriam começar a fazer uma comparação de previsões iniciais com o que realmente rolou, e expor isso para os leitores. Não tenho dúvida que a classe se sensibilizaria e adotaria as duas regras de ouro na previsão: não esticar muito o período de previsão e usar estimativas intervalares.

Se não acontecer isso, vou começar a dar razão ao Einstein. Conta a lenda que quando Einstein morreu e estava na fila do purgatório, ele, para passar o tempo, começou a puxar conversa com as pessoas na fila, perguntando o QI delas. A primeira respondeu “190”. “Esplêndido!”, exclamou Einstein, “com você posso conversar sobre a minha teoria da relatividade!”. A segunda pessoa respondeu “150”. “Bom! Com você posso conversar sobre o papel da atividade humana sobre o aquecimento global”. A terceira murmurou “50”.  Einstein fez uma pausa e depois perguntou: “qual é a sua previsão para a taxa de crescimento da economia para este ano?”.

Trilha Sonora do Post

Andar com fé eu vou que a fé não costuma “faiar”: