Archive for the ‘Prêmio Nobel’ Category

Premionições

março 20, 2011

wbaumol1

Previ que Paul Krugman ganharia o Nobel de Economia com um ano de antecedência. Foi numa aula de economia no final de 2007. Havia dito para classe que Krugman era um dos injustiçados até aquele momento por não ter ganhado o Nobel. E, depois, previ que ele ganharia no ano seguinte. E depois de tal brilhante premonição que tive,  esqueci completamente da minha “previsão”… Quem me lembrou que eu tinha previsto foi um aluno daquela classe que me cumprimentou quando saiu o anúncio do Prêmio.  Só consegui balbuciar: “o quê? Ah, é! É mesmo! Previ, não foi?”.

Muitas vezes, o professor fala coisas na sala de aula simplesmente para animar uma aula que não anda muito bem. Nessas horas, vale tudo! Vale levantar polêmica, fazer graça, exagerar em certas coisas, lançar ideias meio amalucadas. Tudo vale para espantar o marasmo de uma aula mal conduzida ou mal planejada. Às vezes, me ponho no papel de “profeta econômico”, dizendo o que vai acontecer e o que não vai acontecer. Se não acontecer o que prevejo, conforme a piadinha, já tenho explicação. Tudo isso com um objetivo propedêutico.

Bem, continuando a minha tradição de premonição (ou deveria chamar de Prêmionição?…), o ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 2011 será William Baumol, professor da Universidade de Princeton (a foto está aí em cima). Gosto de reabilitar pessoas injustiçadas. O caso de Baumol é parecido com o de Krugman. É impressionante que Phelps ganhe o Nobel (qual a contribuição de Phelps? A curva de Phillips expandida pelas expectativas?! Fala sério!), enquanto Baumol, responsável por várias contribuições importantes, não.

Só fazendo uma listinha rápida. Ele criou a teoria microeconômica dos mercados contestáveis; propôs, independentemente com Tobin (Nobel de Economia também), o modelo Baumol-Tobin de aloçação de moeda e ativos; contribuiu para dar importância ao papel do empresário na teoria econômica; foi o criador da análise de convergência de renda; fez contribuições para a questão das externalidades (impostos de Pigou); foi um dos precursores da economia da cultura num artigo publicado na década de sessenta; descobriu a “doença dos custos” no setor de serviços. Quer mais ou tá bom?

É bom que o Banco Central da Suécia pense nisso tudo e conceda ao Baumol o Nobel o mais rápido possível porque o homem anda fazendo hora extra aqui na Terra. Ele completou 89 anos em fevereiro! Não tem muito tempo para reparar essa injustiça. Portanto, acho que a barbada deste ano para o Nobel é Baumol. Preciso pôr essa previsão na minha agenda para que, quando em novembro deste ano for anunciado o Prêmio, eu já comece a tropetear mais uma Premionição minha… Mas já tô fazendo hedge: já tenho uma explicação para o caso em que Baumol não seja agraciado. Afinal, sou economista!

Trilha Sonora do Post

Como esse velhinho descobre essas coisas? Provavelmente as procura com uma tocha na mão. “Torch” do Soft Cell:

 

Economia comportamental

fevereiro 26, 2011

Eu já disse que, frequentemente, é difícil fazer experimento controlado em Economia. Mas não é impossível. Existe um campo da economia que faz experimentos econômicos. Trata-se da economia comportamental, que assume que o homem nem sempre é racional nas suas decisões e busca entender os enganos de percepção e a inconstância das decisões humanas.

Em 2002, esse campo foi homenageado com o recebimento do Prêmio Nobel por dois economistas comportamentais: Daniel Kahneman e Vernon Smith. Um dos seus expoentes é Dan Ariely, professor de economia do MIT, em Boston. Ariely escreveu dois livros que já são sucessos de vendas: “Previsivelmente Irracional” e “Positivamente Irracional”. No primeiro livro, Ariely apresenta os resultados de uma série de experimentos controlados com pessoas. Segundo Ariely, “entender como somos previsivelmente irracionais é o ponto de partida para melhorar nossas decisões e mudar nossas vidas para melhor”. A economia comportamental será assunto para vários posts neste blog, pois a coisa rende.

O vídeo abaixo Ariely analisa a previsibilidade irracional de se namorar on line e arranjar encontros amorosos pela web. Em experimentos, descobriu-se o seguinte: quanto mais a pessoa conhece a outra pessoa no namoro on line, menos ela gosta dela! Assistam ao vídeo!

And the Nobel goes to…

fevereiro 3, 2011

A piadinha diz que a Economia é o único campo da ciência em que dois pesquisadores podem ganhar um Nobel por dizer coisas completamente diferentes. Essa é a versão fraca da piada. A versão forte é que a Economia é o único campo da ciência em que dois pesquisadores podem dividir um Nobel por dizer coisas completamente diferentes… Isso aconteceu em 1974 quando o Nobel de Economia foi dividido entre von Hayek, um defensor fervoroso da economia de mercado e do liberalismo econômico, e de Gunnar Myrdal, um defesor fervoroso da economia planejada e do intervencionismo econômico do Estado.

Há um estudo que afirma que os candidatos ao Prêmio Nobel que acabam não ganhando o prêmio vivem menos anos que os candidatos que recebem o Prêmio. Talvez seja devido à TPN, tensão Pré-Nobel. Imagine que seu nome todo ano é arrolado como um dos possíveis ganhadores e na hora do anúncio, nada. Isso deve ser frustrante e doer no coração.

No caso da Economia, rigorosamente não se pode falar em Nobel de Economia. A Academia Sueca de Ciências não se refere a esse prêmio como Nobel de Economia, mas simplesmente como “Prize in Economics”. Isso porque o criador desse prêmio foi Alfred Nobel (a foto do sujeito está acima), o inventor da dinamite, que fez fortuna com a sua invenção. Decidiu depois fazer um ato positivo antes de morrer, instituindo, em 1901, um prêmio para recompensar os pesquisadores que fazem grandes contribuições científicas nas áreas da Química, Física, Medicina, Literatura e o prêmio especial para aqueles que ajudam a promover a paz mundial. Não tinha originalmente Economia. Aí, em 1969, o Banco Central da Suécia (e não a Academia Sueca de Ciências) instituiu o “Prêmio em Economia”, que é concedido na mesma cerimônia de celebração dos Nobéis. E ficou conhecido como o “Nobel de Economia”.

Alguém pode ter estranhado por o Alfred não instituiu o Nobel de Matemática, campo gerador de tantas idéias usadas por tantos outros. O boato é que a esposa de Alfred Nobel teve um amante que era Matemático. Como o nosso pobre Alfredo não podia explodir o cara com dinamite (pelo menos, sem consequências legais), ele resolveu não homenagear esse campo do conhecimento. Foi o jeito dele de se vingar.

O site oficial do Prêmio Nobel é: http://nobelprize.org/. Lá tem todos os ganhadores, os seus discursos (quem está interessado nisso?), curiosidades e joguinhos. Joguinhos?! É, mas são joguinhos educacionais com o objetivo de ensinar as idéias desenvolvidas pelos ganhadores do Nobel. Tem até um joguinho de Economia, chamado Trade, que procura ensinar o modelo de comércio exterior baseado nas idéias de Heckscher-Ohlin (Ohlin ganhou o Nobel em 1977). Eis o link do jogo Trade: http://nobelprize.org/educational_games/economics/trade/index.html. Quem é bom em vantagem comparativa deve jogar.